Equipe
Rádio Nocaute

Rádio Nocaute

Se existe um nome na música brasileira que a represente da melhor forma possível, "esse cara" é Roberto Carlos, como ele mesmo canta em uma de suas últimas músicas do repertório, tal como foi apresentado no show realizado na noite desta sexta-feira (24). Com uma plateia lotando o Espaço das Américas, em São Paulo, onde as fãs gritavam "gostoso" e "rei" da plateia, o cantor trouxe seus maiores sucessos para o palco s e não decepcionou quando embalou as canções com alguns passos de dança improvisados. O Rei e sua banda, essencial para que o espetáculo acontecesse impecavelmente entre luzes que dominavam todo o local - assim como sua voz, atraíram os olhares dos admiradores presentes, desde os mais jovens até a velha guarda, que acompanham sua carreira desde o início, na década de 60, quando estourou em todo o Brasil. "Que prazer rever vocês mais uma vez em São Paulo, nessa casa maravilhosa. Obrigado por esse carinho e amor! Obrigado por todas as coisas lindas que tenho recebido de vocês desde que eu nasci. (...) Mas é o seguinte, meu negócio não é falar, entre outras coisas, meu negócio é cantar", disse ele ao abrir o show com Como Vai Você. Romântico de carteirinha, Roberto Carlos aproveitou ainda para falar sobre um assunto que não costumava tratar em músicas: o sexo. Com seu carisma característico, o cantor discursou sobre o tema antes de apresentar a faixa Proposta. "Minhas músicas faltavam falar de algo s mais, elas eram simples. Depois da jovem guarda não se permitia dizer tantas coisas. Faltava falar de sexo em minhas músicas! Amor e sexo são coisas que andam juntas", afirmou. "Como vou fazer para falar dessas coisas. O que vão pensar de mim?", brincou ele. "Não posso deixar de dizer as coisas que eu penso nas canções que eu faço. Entre as coisas que mais gosto, em primeiríssimo lugar vem o amor, depois o sexo e por fim... Sorvete!", disse ele animando o público com seu bom humor. Como de praxe, a entrega das rosas no final do show foi o ápice. Bem próximas a ele, as fãs puderam trocar presentes por flores acompanhadas carinhosamente com um beijo do eterno rei da música brasileira.

 

 

Fonte:  O Fuxico

Stênio Garcia voltou a falar sobre o efeito negativo de um remédio contra impotência sexual que tomou. O ator contou ao programa TV Fama que quase morreu após fazer uso do medicamento. — Não adiantou muito e eu quase morri. Não foi com a minha atual mulher [a atriz Marilene Saade], que com ela eu não preciso de Viagra, não. Stênio disse ainda que ficou preocupado após tomar o remédio pois é hipertenso. — Não é brincadeira, é verdade. Não me fez bem, eu sou hipertenso e o Viagra viajou dentro de mim e quase que me leva, por isso eu tenho medo. Nunca mais.

— Ela não se conforma, pois sempre quer passar para as pessoas a imagem de que a vida entre quatro paredes do casal é ativa e… perfeita… Para tentar abafar um pouco o caso, Mari deu outra entrevista dizendo que não foi com ela que o marido usou a pílula azul para ficar mais animadinho, e sim durante uma viagem com os amigos, há mais de 20 anos. Uma história muito mal contada, por sinal, pois a mulher afirmou que todos os amigos combinaram de tomar Viagra juntos etc. Só que a peladona entrou em contradição, pois o Viagra foi criado há 18 anos, então é impossível ele ter usado o remedinho há mais de 20...

 

 

 

Fonte: Folha Vitória

Em tour mundial do álbum "The Sweet Sweet Fantasy", a cantora Mariah Carey virá ao Brasil em novembro. São Paulo é a primeira cidade a receber a artista, no dia 1º de novembro, no Allianz Parque. Na sequência ela se apresenta em Curitiba, no dia 4, na Pedreira Paulo Leminsk; e em Porto Alegre no dia 5, no Estádio Beira-Rio, encerrando a tour com apresentação única. A cantora vem exclusivamente ao Brasil pela parceria entre a Stage Entertainment e Lens Events. A expectativa de público nas três cidades brasileiras é de mais de 80 mil pessoas, que poderão curtir os maiores sucessos da artista. Para os fãs brasileiros Mariah guarda ainda uma grande surpresa: ela terá um convidado especial em todas as suas apresentações. A força e beleza de Mariah Carey estouraram nos anos 90. Seu estilo e habilidade vocal impactaram toda uma geração de artistas. Por influenciar a música popular com outros gêneros como o r&b e o hip-hop e popularizar a participação de rappers em suas canções, Mariah se consagrou como a Musa do Pop. Mariah é conhecida por seus alcances vocais de sete oitavas e por seu estilo poderoso de melisma. Ao longo de sua carreira Mariah vendeu mais de 250 milhões de discos, ganhou 5 Grammy Awards, 20 World Music Awards, 13 American Music Awards e 32 Billboard Music Awards. Antes de vir à América do Sul, Mariah Carey segue em temporada de grande sucesso e de ingressos esgotados com o espetáculo "#1 to Infinity", em Las Vegas. Os ingressos para a turnê brasileira estarão à venda em breve.

 

Serviço: Mariah Carey - The Sweet Sweet Fantasy São Paulo - SP Data: 01 de novembro, 21h Local: Allianz Parque | Avenida Francisco Matarazzo, 1705 - Água Branca Curitiba - PR Data: 04 de novembro, 21h Local: Pedreira Paulo Leminski | R. João Gava, 970 - Abranches Porto Alegre - RS Data: 05 de novembro, 21h Local: Estádio Beira-Rio | Av. Padre Cacique, 891 - Praia de Belas

 

Fonte: Hoje em dia

Cerca de 70 policiais civis de Governador Valadares (MG) fizeram uma manifestação na manhã desta quinta-feira (23) na porta da delegacia regional da cidade. Os grevistas pedem a melhoria da estrutura do local de trabalho e equiparação salarial para os escrivães e investigadores. A greve começou em todo o estado na última segunda-feira (20) e 70% dos serviços estão suspensos, segundo Sindpol/MG. Em Valadares, 30% do efetivo continua trabalhando, mas todos os 150 policiais da cidade aderiram ao movimento. “Nós entendemos que durante décadas o Governo de Minas não tem valorizado toda a classe da Polícia Civil. A nossa estrutura e as viaturas são precárias”, disse o delegado Clériston Lopes Amorim. Os atendimentos ao público na delegacia estão sendo realizados entre 14h e 16h40. O Detran está distribuindo 70 senhas diariamente, para atender o público. Na delegacia de mulheres, os servidores só estão atendendo os casos de flagrantes. O diretor financeiro do Sindicato dos Policiais Civis do Estado de Minas Gerais em Governador Valadares, José Renato Machado Lima, disse que o movimento não busca aumento de salário, mas sim uma estruturação da Polícia Civil. Ainda segundo ele, as negociações entre o Governo de Minas e a PC já começaram em Belo Horizonte (MG), mas ainda não houve acordo. O G1 procurou a assessoria da Polícia Civil que confirmou que está em fase de negociação, porém não repassou detalhes.

 

 

Fonte:  G1

O governo anunciou redução a zero da alíquota de importação de feijão, de qualquer país, por prazo de 90 dias. A medida foi criada com o intuito de estimular as importações do grão, numa tentativa de baixar os preços do produto. Porém, o feijão carioca, que responde por mais de 70% do consumo nacional, é um produto genuinamente brasileiro e não é encontrado em outros mercados. Com isso, a importação de feijão preto e de outros tipos não deve solucionar a crise de abastecimento. A medida pode apenas baratear o feijão preto e forçar uma mudança de hábito, fazendo com que muitos optem pelo grão preto, em vez do feijão carioca. Tradicionalmente, o Brasil importa entre 100 e 150 mil toneladas de feijão preto por ano, sendo a Argentina o principal fornecedor do produto. Como os países do Mercosul integram um mercado comum, o feijão argentino já é importado sem taxas. Além disso, segundo Sandra, a importação de feijão é irrelevante diante da produção brasileira, de 2,9 milhões de toneladas na safra 2015/2016. Mesmo assim, já houve um incremento nas importações. De janeiro a maio de 2016, foram importadas 69,3 mil toneladas de feijão (todos os tipos de feijão, secos e em grãos), contra 44,6 mil toneladas no mesmo período de 2015, de acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. De acordo com Sandra Hetzel, analista da consultoria Unifeijão, a tonelada de feijão preto argentina está custando cerca de US$ 1.250, valor que somado ao frete e impostos ficará muito próximo do preço brasileiro. “Lá na Argentina também houve perdas por causa do clima e o feijão também está caro. Não vejo muita vantagem competitiva na importação”, diz. “Só é uma medida positiva do ponto de vista psicológico, porque o mercado está extremamente nervoso. Mas a gente não pode esperar feijão barato neste ano, o consumidor tem de ter consciência disso.” A solução pode estar na China e no México Para estimular a importação de feijão preto, o governo pode reduzir tarifas de importação da China e focar no México. “A mercadoria da China está compensando. A saca chegaria ao Brasil por R$ 180 incluindo todos os impostos, enquanto em São Paulo, a saca de feijão preto está custando R$ 300”, diz Sandra. Porém, segundo a analista, a mercadoria demoraria mais de 40 dias para ser transportada por navio até o Brasil. “E mesmo assim, a importação não vai baixar os preços, só pode aliviar a pressão e não deixar que o feijão fique ainda mais caro”, afirma Sandra. Outra alternativa é o México, onde se produz uma variedade de feijão chamada “pinto beans”. Esse tipo de feijão é similar ao carioca, com a diferença que é colorido com “pintas”, em vez de rajado. “O México é um tradicional produtor de feijão que pode suprir um pouco da nossa demanda no futuro. O feijão pinto beans é maior e o sabor é um pouco diferente, mas é o que mais se aproxima do feijão carioca”, afirma Alcido Wander, chefe de pesquisa da Embrapa Arroz e Feijão. Mais uma vez, a solução não é imediata. Para importar feijão do México, o Brasil precisa negociar protocolos fitossanitários, processo que leva meses. Essa negociação é fundamental por questões de segurança, para evitar que pragas e doenças encontradas nas lavouras mexicanas sejam trazidas para o Brasil. O mercado aguarda a próxima colheita O feijão é uma cultura de ciclo curto, entre 90 e 100 dias. Por isso, é possível ter três safras em cada ano agrícola. A primeira e a segunda safras do ano agrícola 2015/2016 registraram redução de área plantada e foram prejudicadas por problemas climáticos, como chuvas excessivas e geadas. A esperança que resta para este ano é a terceira safra, estimada em 873,3 mil toneladas, que será colhida entre o fim de agosto e o dia 20 de setembro em São Paulo, Oeste de Minas Gerais, Distrito Federal, Goiás e em algumas regiões de Mato Grosso. “Essa é uma safra menor, que não representa o maior volume da produção nacional. Mas, vai garantir o abastecimento por um tempo e dar um alívio nos preços do feijão”, afirma o pesquisador da Embrapa. Porém, segundo os especialistas, os preços do feijão carioca só devem mesmo voltar à normalidade a partir de novembro, quando começar a colheita da primeira safra de feijão do ciclo 2016/2017 e se as lavouras estiverem em boas condições. O que é o feijão carioca? De acordo com Wander, esse tipo de grão é resultado de uma mutação natural que ocorreu em plantas de feijão na década de 1960. A partir dessa planta, surgiu o feijão carioca, que foi estudado e gerou inúmeras variedades que atualmente são cultivadas no País. “Essa é uma criação nacional”, diz Wander. “Não existe produção de feijão carioca em escala comercial em nenhum outro lugar no mundo. O que existe são produtores que levaram variedades brasileiras e estão tentando produzir lá fora com o objetivo de exportar para o Brasil.” Feijão carioca é um problema para o Brasil Por ser um produto genuinamente nacional, a má notícia é que os brasileiros são reféns de sua própria criação. Quando a produção supera a demanda, os preços despencam e os produtores de feijão amargam prejuízos, porque o carioca é desconhecido no mercado internacional e não é possível exportar o produto. Por outro lado, quando a produção de carioca fica abaixo do esperado, o Brasil não tem de onde importar o produto, o que provoca alta nos preços. “Os produtores já estão calejados, eles acompanham o mercado e sabem que o feijão tem essas oscilações malucas”, afirma Sandra, analista da Unifeijão. Segundo o pesquisador da Embrapa, o ideal é que o mercado brasileiro substitua o consumo de feijão carioca por feijão preto e feijão branco, por exemplo. “No longo prazo, a melhor solução seria que os brasileiros tivessem o hábito de consumir grãos mais conhecidos e aceitos no mercado internacional”, afirma Wander. “Isso traria mais estabilidade e previsibilidade para o mercado.”

 

Fonte:  G1

Após um mês de expectativa, o Cruzeiro oficializou a contratação do atacante Rafael Sóbis nesta noite, encerrando uma longa negociação com o Tigres-MEX. O camisa 9 é um sonho antigo da Raposa, que em 2012 tentou trazê-lo para Belo Horizonte. O anúncio foi feito pelo vice-presidente celeste, Bruno Vicintin, via Twitter. O dirigente, inclusive, soltou uma hashtag enigmática logo após divulgar o acerto com Sóbis, e com possível erro de digitação, despertando a curiosidade dos internautas. Ele publicou #OBoiVenceOMal. O avante assinará contrato de três anos com o time celeste. A data da chegada de Sóbis a Belo Horizonte ainda não foi divulgada, assim como os detalhes do contrato. Mais cedo, a diretoria mexicana confirmou que liberou Sóbis para se acertar com o Cruzeiro e até divulgou vídeo do avante se despedindo dos companheiros de equipe. Pesou para a transferência ser bem sucedida o desejo do atleta de retornar ao Brasil, já que o Tigres não tinha intenção de desfazer-se de seu ídolo. De acordo com apuração do Super FC, o Tigres não abriria mão da multa pela quebra contratual de Rafael Sóbis, no valor de R$ 27 milhões. Informações de bastidores dão conta de que o Cruzeiro pagará R$ 17 milhões, sendo uma parte à vista e o restante em parcelas.

 

Fonte:  O tempo

A polícia de Nova York (NYPD) enfeitou com as cores arco-íris um dos veículos que vão patrulhar a Parada Gay da cidade, que será realizada neste domingo (26). O carro, apresentado nesta quinta-feira (23), tem adesivos de corações e palavras como "orgulho", "igualdade" e "paz", além de uma frase de apoio às vítimas do massacre de Orlando. Até a placa da viatura ganhou letras e números nas cores do orgulho LGBT. A novidade gerou polêmica no Twitter. Enquanto alguns usuários elogiaram a iniciativa, outros afirmaram que se trata de um gasto de dinheiro desnecessário ou lembraram de episódios em que a polícia prendeu pessoas em marchas gays do passado.

 

 

Fonte: G1

A repórter e uma das diretoras do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais (SJPMG) Verônica Pimenta foi presa na manhã desta segunda-feira (20) durante reintegração de posse nas Ocupações Maria Vitória e Maria Guerreira, localizada no bairro Copacabana, na região de Venda Nova, em Belo Horizonte. A jornalista estava fazendo a cobertura da reintegração quando foi presa e encaminhada para a Delegacia de Polícia Civil de Venda Nova. De acordo com a Polícia Militar, ela foi presa por desobediência e por não ter se identificado. “Em gestão de eventos de crise como esse, nós estabelecemos perímetros de segurança e só ficam dentro dele quem está diretamente envolvido no fato. Isso é feito até para a segurança da imprensa. Ela se recusou a obedecer esse perímetro e a se identificar e por isso precisou ser presa”, afirmou o capitão Flávio Santiago, chefe da assessoria de imprensa da Polícia Militar. Ainda segundo ele, a reintegração está sendo feita de forma pacífica e a repórter foi para a delegacia no carro da Inconfidência. Já o presidente do sindicato Kerison Lopes considera que a prisão foi feita de forma arbitrária. “A Verônica estava no meio da entrevista quando foi definido o perímetro de segurança e ela queria terminas, mas os policiais começaram a pedir para ela sair, impedindo o trabalho dela. Ela estava devidamente identificada com microfone e crachá da rádio”, afirmou Lopes. Ainda segundo Lopes, a repórter está prestando depoimento na tarde desta segunda. O advogado do sindicato está acompanhando o depoimento. A advogada da rádio Inconfidência também está na delegacia. “Estamos acompanhando os casos, essa não é a primeira vez que a polícia impede os jornalistas de trabalharem e isso é muito grave, vamos ficar atentos a esses acontecimentos e se for preciso acionaremos a Justiça”, disse o presidente do sindicato. A assessoria de imprensa da Polícia Civil afirmou que Verônica assinou um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO), prestou depoimento e foi liberada. O TCO é utilizado em crimes de menor potencial ofensivo e agora ela deve ser ouvida em audiência judicial. Ainda segundo a Polícia Civil, os militares envolvidos na ocorrência também foram ouvidos. Eles registraram Boletim de Ocorrência por desobediência e incitação da população contra os policiais. Porém como nenhum popular foi preso, a Polícia Civil só acatou a desobediência. Um vídeo com o momento da retirada da repórter da ocupação foi gravado por moradores. Nas imagens a moradora afirma que Verônica passou a noite na ocupação e por isso já estava lá dentro.

 

Fonte:  O tempo

O goleiro Bruno Fernandes, que cumpre pena pelo assassinato de Eliza Samudio, oficializou neste fim de semana o casamento com a dentista Ingrid Calheiros, em Santa Luzia, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. De acordo com o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), a cerimônia foi realizada neste sábado (18), na Associação de Proteção e Assistência ao Condenado (Apac), onde o atleta está preso desde setembro do ano passado. Bruno Fernandes foi condenado pela Justiça de Minas a 22 anos e três meses de prisão pela morte e ocultação do cadáver da ex-amante, além do sequestro do filho da jovem. Além de Bruno, outras cinco pessoas foram condenadas pela morte de Eliza.

Segundo o advogado Lúcio Adolfo, houve tanto o casamento civil quanto o casamento religioso. Ele contou que a cerimônia foi celebrada por uma pastora. De acordo com o TJMG, além de Bruno, outro preso, que na Apac é chamado de recuperando, casou-se neste sábado. A Justiça informou que foram convidados voluntários da associação, parentes e amigos próximos aos noivos. Após a cerimônia, ainda de acordo com o TJMG, foi servido um almoço, preparado na unidade com a ajuda dos recuperandos. O casamento ainda contou com uma banda de louvor durante a celebração.

Desde o julgamento de Bruno, ocorrido em 2013, Ingrid já se apresentava como mulher do goleiro. Pelo menos desde 2011, quando Bruno estava detido na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na Região Metropolitana, os dois já cogitavam se casar na prisão. Na época do assassinato de Eliza Samudio, em 2010, o goleiro era casado com Dayanne Rodrigues, de quem se separou após o crime. Ela também respondeu pela acusação de sequestro e cárcere privado do filho de Bruno com Eliza Samudio, mas foi absolvida pela Justiça mineira.

Bruno Fernandes foi condenado pela Justiça de Minas, em março de 2013, a 17 anos e 6 meses em regime fechado por homicídio triplamente qualificado (por motivo torpe, asfixia e uso de recurso que dificultou a defesa da vítima), a outros 3 anos e 3 meses em regime aberto por sequestro e cárcere privado e ainda a mais 1 ano e 6 meses por ocultação de cadáver. A pena foi aumentada porque o goleiro foi considerado o mandante do crime, e reduzida pela confissão do jogador. Eliza desapareceu em 2010 e seu corpo nunca foi achado. Ela tinha 25 anos e era mãe do filho recém-nascido do goleiro Bruno, de quem foi amante. Na época, o jogador era titular do Flamengo e não reconhecia a paternidade.

 

Fonte: G1

Quando uma tesoura e uma máquina de cortar cabelo foram parar nas mãos de João Batista Oliveira, na década de 1960, ele não imaginava que aqueles dois objetos iriam influenciar tanto a sua vida dali para frente. Na época, com 20 e poucos anos, ele conta que morava em um sítio em Cesário Lange (SP) e nem sonhava com a carreira que iria seguir. Hoje, aos 71 anos, e 48 anos de profissão, Batista ostenta em sua barbearia na Vila Santana, em Sorocaba (SP), uma placa comemorativa por conta dos mais de 1,5 milhão de cortes que já fez. 

Batista explica que a conta foi feita por um cliente. "Ele veio aqui um dia e começou a conversar comigo. Contei minha história como barbeiro desde o início e daí ele fez o cálculo, chegando a esse número. Aí ele resolveu me presentear com essa placa comemorativa", diz. A condecoração, pendurada em local de destaque ao lado de uma foto de seu Batista mais jovem, traz os dizeres: "Isto reconhece que o ilustre profissional Batista, ao longo de 47 anos de trabalho e profissionalismo, concluiu com sucesso até o presente momento o corte de 1.575.57 pessoas". Batista ressalta que o número foi alcançado no ano passado. 

O barbeiro faz questão de explicar o cálculo feito pelo cliente para chegar a tal número. "Ele calculou os anos de profissão, sendo deles 26 dias de trabalho por mês e com uma média de 109 cortes por dia. Chego a trabalhar das 6h30 até 22h alguns dias, principalmente de sexta, sábado e véspera de feriado, que é quando o povo quer ficar bonito para as festas", brinca. Para conseguir a impressionante marca de 109 cortes em 16 horas, seu Batista teria que gastar no máximo 7 minutos em cada cliente. Mas ele garante que os números não são "conversa de barbeiro". "Eu guardo a lâmina de cada corte de cabelo ou barba que eu faço em uma vasilha e, no fim do dia, conto tudo para ter um controle de quantos cortes faço por dia. Depois jogo tudo fora, porque guardar não seria higiênico", conta.

Polêmica matemática à parte, Batista lembra com alegria do começo da carreira, aos 20 anos de idade, quando morava em um sítio em Cesário Lange com a família. Ainda sem saber como conseguiu uma tesoura e uma máquina de cortar cabelos, do tipo manual, ele apenas lembra que assim que teve o primeiro contato com os objetos, já quis experimentar. "Eu pedi para cortar os cabelos do meu irmão, mas ele não deixou. Ficou com medo. Mas eu insisti. Pedia a toda hora: 'dá o seu cabelo para eu cortar' e ele, 'não, de jeito nenhum'". De tanto insistir, o irmão de Batista cedeu a pressão. No começo, a tesoura chegou a cair algumas vezes no chão, o que só fez aumentar o medo de seu "cliente". Só que o susto inicial passou, João se acertou com a tesoura em mãos e, assim, comandou-a entre os fios de cabelo do irmão como se soubesse exatamente o que estava fazendo. Tanto que o resultado agradou o cliente exigente, que fez questão de contar para os amigos e vizinhos do sítio. "E foi assim que eu comecei a cortar cabelo. Pela vizinhança do sítio, sempre sem cobrar nada, isso por anos. Então eu passei a sonhar em ter o meu próprio salão em São Paulo, mas primeiro fui para Tatuí, trabalhei por quatro anos lá no salão de um amigo e depois vim para Sorocaba, onde trabalhei por um ano no salão de um amigo até abrir a minha própria barbearia, primeiro foi no Centro e, desde 1978, estou na Vila Santana", conta. De pai para os filhos Batista é casado e pai de sete filhos, sendo quatro mulheres e três homens. Como era de se esperar, ele acabou passando para os filhos o amor pela barbearia. Todos, sem exceção, trabalharam em algum momento da vida na área e até dois dos seus filhos, sendo um homem e uma mulher, abriram o próprio salão, enquanto alguns mudaram de profissão.

Já dois dos sete filhos, trabalham atualmente lado a lado do pai na barbearia na Vila Santana: Eliseu, de 37 anos, e Filipe, de 30 anos. "Eu comecei a cortar cabelo profissionalmente com 17 anos, mas desde bem pequeno eu já fazia a barba do meu pai. Ele colocava um caixote perto da cadeira para eu subir e tirar a barba dele. Eu tirava cada 'taio'", lembra em meio a risos Eliseu, que nunca teve dúvida que queria seguir os mesmos passos do pai.

Já Filipe até tentou escapar da barbearia, trabalhou em uma indústria por alguns anos, mas por conta da crise econômica acabou sendo despedido do serviço, isso no ano passado, e aí viu na profissão do pai uma forma de se recolocar no mercado de trabalho. "Desde criança eu cortava cabelo, mas quis arriscar trabalhar em outra coisa. Antes eu não estava preparado. Agora eu estou no lugar certo. O movimento do salão aumentou e eu vim ajudar e agora não quero mais parar". Por mais que Batista tenha ensinado muito para os filhos sobre a profissão, ele faz questão de frisar que constantemente aprende com eles também. "A pessoa que pensa que é boa em algo, que sabe de tudo sobre uma determinada coisa, na verdade, tem muito que aprender ainda."

 

Fonte:  G1

Quem Somos

A Radio Nocaute tem como principal meta, tocar os sucessos mais antigos em sua programação, não deixando é claro de tocar os sucessos da atualidade. Nossa programação é feita com 60% de músicas antigas. Trabalhamos com muito carinho para oferecer uma programação diferenciada aos nossos ouvintes.
Saiba mais

 

Nossa Newsletter

Cadastre-se e receba nossas novidades e promoções em seu e-mail!

Siga-nos pelo Facebook