Música
Quinta, 06 Abril 2017 17:39

Reggaeton: como a batida certa e a mistura com funk e sertanejo fizeram do gênero um fenômeno

Avalie este item
(0 votos)

Há algo em comum entre Luan Santana, Anitta, Simone e Simaria, Nego do Borel e Claudia Leite – e não estamos falando da capacidade de emplacar um hit atrás do outro. Todos eles, e mais um monte de nomes lucrativos do pop brasileiro, se renderam recentemente ao reggaeton, gênero que nasceu no Panamá e nos últimos anos atravessou o Canal rumo às paradas de sucessos no mundo todo. Hoje a sonoridade que ganhou as rádios e paradas de streaming tem pouco a ver com o reggae – embora o nome faça referência ao ritmo jamaicano. Menos ainda com o rap – o “ton” do reggaeton vem de maratón, concurso de rap caribenho. Mas, bem antes de chegar ao repertório de Drake, Justin Bieber, Rihanna e dos brasileiros, o gênero fez parte da cena underground latina.“Comparo o reggaeton hoje com o que foi, lá atrás, o funk carioca. Foi crescendo, ficando ‘chique’”, analisa o produtor uruguaio Augusto Cabrera, um dos principais responsáveis por trazer o gênero latino ao Brasil. Ele explica: De modão, Cabrera entende bem. Já trabalhou com nomes como Zezé di Camargo e Luciano, Leonardo e Eduardo Costa. É também o produtor responsável por “Loka”, um dos hits do verão deste ano, nas vozes de Simone, Simaria e Anitta. Ele conta ao G1 que Simaria o procurou numa jornada de produtor em produtor, em busca do reggaeton perfeito (leia-se: o mais rentável). “Ela estava ouvindo muito reggaeton puro, não estava encontrando o som internacional que procurava. Ela queria uma levada latina. Nada trivial, mais rádio mesmo, como o que a Shakira está fazendo agora”, lembra. “Montei a ideia em 30 minutos e ela pirou.” O público também. O clipe de “Loka” tem mais de 220 milhões de visualizações no YouTube e a música, lançada no início do ano, ainda está em todas as listas de mais ouvidas no streaming brasileiro. Luan Santana também emplacou “Acordando o prédio”, seu primeiro reggaeton. Para Cabrera, a estrutura da música latina tem tudo a ver com o sertanejo. Nada disso. É o funk o verdadeiro par perfeito, ao menos para Dennis DJ, um dos mais importantes nomes do gênero (produziu de “Cerol na mão”, sucesso do início dos anos 2000, a “Malandramente”, do ano passado). Ele incorporou o ritmo latino em “Eu gosto”, cantada por Claudia Leitte. “O reggaeton tem um beat mais baixo. Antes, eu não via uma maneira de encaixar isso no funk. Mas aí surgiu o rasteirinha [vertente de ‘Deu onda’, por exemplo], que também tem um beat caído. Casou certinho”, ele explica. E acrescenta que o momento tem a ver com uma mudança no gosto do público: Com o fortalecimento da mistura, criou-se até um termo para definir o funk com pegada reggaeton: é o "funketon". "Antes de 'Água na boca', eu não ouvia nenhum reggaeton nas rádios. Hoje é o tempo todo. Acho que as pessoas viram oportunidades e leques se abrindo na indústria latina", avalia Tati Zaqui, que depois de "Parara tibum" passou a se dedicar ao gênero. Ela se considera pioneira do "funketon". Estamos falando de música pop, e é claro que o reggaeton de Simone e Simaria, Claudia Leitte, Tati Zaqui e os colegas é diluído em um punhado de outras referências. É o "som internacional" buscado por Simaria para "Loka". Para citar um meme recente, dá para dizer que é o reggaeton "Nutella". "O que o povo faz não é bem reggaeton, é uma mistura sutil. Nos meus trabalhos, mantenho o violão sertanejo, troco a percussão, coloco até coisa de samba, pagode. Não é pedacinho por pedacinho, é mistura mesmo", explica Cabrera, que crítica os adeptos de fórmulas prontas, especialmente no sertanejo: Há no país quem faça um som mais próximo do que poderia ser o reggaeton "raiz". O duo Señores Cafetões já usou referências de funk, mas nos últimos anos tem se dedicado a um repertório mais puro. A dupla, formada por MC Sped e DJ Boka, é dona das famosas "Piriguete" e "Desce sobe", mas depois delas não conseguiu emplacar outros hits. Boka lamenta: Ao mesmo tempo em que eram esquecidos no Brasil depois de "Desce sobe", os Señores Cafetões bombavam o reggaeton brasileiro na Europa. A música "Ela quer dançar" levou a dupla a uma turnê de 45 shows por lá, em 2011. "Fomos para ficar duas semanas e acabamos ficando três meses. Foi um conto de fadas", lembra o DJ. O duo também passou por Bolívia, Uruguai e Paraguai. Enquanto isso, figurões brasileiros se esforçam para levar seu som para fora do país. Cabrera sabe bem, e dá a dica: "O que eu recebo hoje em dia de artista grande me perguntando o que fazer para ir para outros países da América Latina... Eles querem fazer reggaeton, mas isso todo mundo já faz lá. Tem que ter um diferencial. Tem que levar o Brasil para fora.

 

Fonte: G1

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Notícias mais lidas

Quem Somos

A Radio Nocaute tem como principal meta, tocar os sucessos mais antigos em sua programação, não deixando é claro de tocar os sucessos da atualidade. Nossa programação é feita com 60% de músicas antigas. Trabalhamos com muito carinho para oferecer uma programação diferenciada aos nossos ouvintes.
Saiba mais

 

Nossa Newsletter

Cadastre-se e receba nossas novidades e promoções em seu e-mail!

Siga-nos pelo Facebook