Nacionais
Domingo, 20 Novembro 2016 06:43

Homem com perda de memória não sabe onde mora e sonha em ver filhas

Avalie este item
(0 votos)

“Morrer seria um alívio”. O desabafo é do carpinteiro Manoel de Oliveira, de 58 anos, que sofre com a perda de memória recente. Em Bujari, a 22 km de Rio Branco, onde foi acolhido por uma família há 10 anos, todos o conhecem como “Seu Bagdá” ou “poeta sem chance”. Entre os esquecimentos e alguns lapsos de consciência, Oliveira não consegue lembrar de algumas coisas mais recentes. Ele não sabe onde está e nem como foi parar no Acre. Devido ao problema, é difícil saber a cronologia da história do aposentado. As poucas coisas de que lembra são os nomes das três filhas, o endereço onde morava em São Paulo e que morou em Bagdá durante um tempo enquanto exercia o trabalho de carpinteiro para uma empresa do Brasil. Por isso, foi apelidado com o nome da cidade. As memórias mais antigas não são problema para o poeta. Ele conta que estudou somente até a 4ª série e que aprendeu a falar três línguas - inglês, árabe e espanhol - através de suas andanças pelo mundo. "O corpo está bom para trabalhar, o problema está na cabeça. Nem sei quanto tempo estou sem trabalhar. Na verdade, nem sei onde estou. Eu sei o que está acontecendo agora, depois o passado se apaga”, explica. 

Apaixonado por poesia, o aposentado se diz repentista e gosta de, no improviso, declamar versos. O diretor do Hospital de Saúde Mental do Acre (Hosmac), o psiquiatra Marcos Araripe, explica que é preciso uma avaliação para confirmar o diagnóstico da doença com ressonância magnética do crânio e exame laboratorial. Mas, destaca que há duas possibilidades. “Existem duas doenças que causam esses sintomas. O Alzheimer, que se caracteriza com o quadro da perda da memória recente e lembra de fatos passados ou a demência devido ao abuso do álcool. O tratamento é medicamentoso”, explica.

Sem documentos, Oliveira foi acolhido por uma família há cerca de 10 anos. A dona de casa Maria das Dores, de 64 anos, conta que o conhecido Bagdá e seu marido trabalharam juntos em uma fazenda em Assis Brasil. Eles conhecem o aposentado há cerca de 15 anos, segundo a dona de casa. “O Manoel era bom e trabalhava de peão com o meu marido. Eles faziam tudo na fazenda. Mas, ele sempre gostou de tomar cachaça. Às vezes, quando bebia muito, ele desaparecia e a gente ia procurá-lo. Mas, ele era bonzinho”, conta. 

Neste momento, Oliveira interrompe e, bem humorado, corrige a amiga que o acolheu. “Eu ainda sou bom, a memória é que é falha”, brinca. Maria das Dores conta que após uma temporada em Assis Brasil, o marido decidiu ir morar em Boca do Acre (AM) e perdeu o contato com Oliveira. “A gente sabia que ele tinha sido internado em um centro de reabilitação por conta da bebida. Mas, ele fugiu”, relembra. Ao chegar em Boca do Acre, Oliveira também passou um tempo na Vila Céu do Mapiá, uma comunidade daimista que fica na divisa entre os municípios de Boca do Acre e do Pauini, no Amazonas. A comunidade recebe a visita de muitos estrangeiros e, segundo a dona de casa, Oliveira ajudava como tradutor. Até que um dia, Maria das Dores e o marido descobriram que o carpinteiro estava perdido e alegava não saber mais onde estava. “Um dia, o filho do meu marido estava passando por um local e encontrou o Manoel dizendo que não sabia onde estava. Mas, ele lembrava do meu marido”, revela.

Nesse mesmo dia, a dona de casa e o marido resolveram “adotar” o aposentando, mas acreditavam que a perda de memória seria passageira. “A gente achava que seria um lapso e, como meu marido o tinha como irmão, pediu que a gente cuidasse dele. Mas, até hoje ele está com a gente e não consegue lembrar de nada”, lamenta.

A história do conhecido “Seu Bagdá” ou “poeta sem chance” ganhou repercussão quando o policial militar Joabes Guedes postou uma prévia da história em seu perfil no Facebook. A postagem teve quase 200 compartilhamentos. “Vez ou outra ele dorme no banco do posto da PM e o levamos para casa”, conta. Porém, a procura pela família de Oliveira é mais antiga. Morando em uma cidade com pouco mais de 8 mil habitantes, o poeta é velho conhecido dos moradores. E foi há dois meses que Natalina Lima, na época secretária de assistente social da cidade, iniciou as buscas pela família de Oliveira. Ela gravou um vídeo onde ele falava as poucas coisas que lembrava, como o endereço, nome da ex-mulher e das três filhas. Natalina entrou em contato com o Centro de Referência da Assistência Social da prefeitura de São Paulo e obteve a resposta do que procurava nesta quarta-feira (16), mesma data em que a história de “Bagdá” foi publicada no Facebook. “Em setembro mandei e-mail e a primeira resposta foi que não tinha encontrado ninguém. Já neste segundo e-mail, me passaram o relatório completo com os nomes das filhas e os contatos”, explica. Oliveira para por muitas vezes e se concentra em cada frase. E parece tentar força a memória para lembrar de algo. Ao final, sempre completa: “É uma situação mesquinha que não desejo para ninguém”, destaca.

Andarilho pelas ruas de Bujari, Olivera conta que gosta de andar para ver se “as coisas se encaixam”. Das filhas, ele tem a lembrança de todas pequenas. A história concreta do carpinteiro foi um mistério até mesmo para o casal que o acolheu por uma década. Parte da história pôde ser revelada pela ex-mulher do aposentando. Maria Aparecida tem 49 anos e conta que Oliveira sempre teve problemas com o álcool. “Ele bebia muito e, com três filhas pequenas, acabei separando dele. Foi quando ele foi embora com um amigo dizendo que iria para um garimpo”, conta. O único documento que o carpinteiro tem hoje é uma folha com alguns dados dele que foi tirada na Polícia Civil em 2004 para que ele pudesse receber a aposentadoria. Nem ele mesmo sabe o que aconteceu com os documentos. 

Maria Aparecida diz que ainda é casada no papel com o aposentado. Durante esses quase 30 anos sem ter notícias de Oliveira, ela revela que sempre foi cobrada pelas três filhas para saber onde o pai estava. “Eu perguntava para os irmãos dele, mas foram quase 30 anos sem saber notícias”, 

O desafio agora, após a procura pelo pai, é achar uma forma de levá-lo até São Paulo. As filhas do aposentando são humildes e ainda buscam uma forma de revê-lo. “A gente não tem condições financeiras. Mas, todos esses anos foram marcados por uma sensação muito ruim porque, para mim e para minhas irmãs, ele estava morto. Não vejo a hora de ver meu pai e agora os dias passam como se fossem anos. Tudo que a gente quer é trazer ele para podermos cuidar melhor e recuperar o tempo perdido”, finaliza.

 

 

Fonte: G1

 

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Notícias mais lidas

Quem Somos

A Radio Nocaute tem como principal meta, tocar os sucessos mais antigos em sua programação, não deixando é claro de tocar os sucessos da atualidade. Nossa programação é feita com 60% de músicas antigas. Trabalhamos com muito carinho para oferecer uma programação diferenciada aos nossos ouvintes.
Saiba mais

 

Nossa Newsletter

Cadastre-se e receba nossas novidades e promoções em seu e-mail!

Siga-nos pelo Facebook