• Whatsapp:
  • (33)9.9913-6056

Portuguese English Spanish
  • 1

    1

  • 2

    2

  • 3

    3

NOTICIAS DA MUSICA

Morre Paulo P.A. Pagni. Baterista do RPM

O baterista Paulo Pagni, da banda RPM, morreu neste sábado (22), informou o hospital de Salto (SP). P.A., como era conhecido, estava internado em estado grave na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital São Camilo desde 14 de maio. O músico morreu às 8h40 por insuficiência respiratória e broncopneumonia. P.A. deu entrada na unidade com infecção pulmonar, apresentando dificuldade respiratória e estava recebendo ventilação por traqueostomia. Ele havia sido diagnosticado com fibrose pulmonar. Paulo P. A. Pagni completou 61 anos no dia 1ª de junho. O músico entrou para o RPM em 1985. O velório será em uma funerária de Araçariguama (SP), cidade onde o músico morava, mas ainda não há previsão para começar. O enterro de Pagni está previsto para meio-dia deste domingo (23), no cemitério municipal. O velório fica na rua Aparecida, 164, Vila Nova, em Araçariguama. A banda RPM postou uma nota em seu perfil no Facebook lamentando a morte do músico. "Nosso querido amigo P.A resolveu definitivamente descansar de sua brava luta pela vida. Partiu hoje em decorrência do agravamento das suas condições respiratórias devido a forte pneumonia que o atingiu. Fomos pegos de surpresa e tomados pela tristeza quando soubemos de sua partida à pouco", publicou a banda. Ainda conforme a publicação, a banda está em Santa Catarina onde fará um show neste sábado. "Estamos em Garopaba/SC, temos a responsabilidade de tocarmos e darmos nosso melhor perante uma plateia estimada em 20.000 pessoas, em respeito à eles, à Prefeitura local que nos contratou e em coerência ao nosso profissionalismo, onde poderemos prestar uma homenagem ao nosso companheiro eterno de estrada que estará com certeza sempre ao nosso lado. Conseguimos antecipar nosso retorno para SP, e isso nos deixará em condições de estarmos presentes à ele pela última vez neste domingo pela manhã."

 

Fonte:  G1

Karol G na Copa América: Quem é a colombiana do reggaeton que vai cantar na abertura?

Uma colombiana de versos sensuais canta o amor pelo futebol ao lado de Léo Santana em “Vibra Continente”, música tema da Copa América 2019. Karol G tem 28 anos de idade, sete de carreira, e algumas marcas: Venceu o Grammy latino como artista revelação em 2018; Três singles no Top 10 da Billboard Hot Latin Songs: "Ahora me llama", "Culpables" e "Mi cama"; Turnê internacional marcada para o segundo semestre deste ano, com passagem por Europa e Estados Unidos; Parceria com cantores de reggaeton famosos internacionalmente, como Maluma, J Balvin, Ozuna e Nicky Jam. Karol canta um trapeton sensual e não hesita na hora de falar sobre prazer e liberdade sexual. Em “Ocean”, álbum lançado em maio deste ano, tem uma faixa chamada “Punto G”, sobre sexo oral feminino. Em sua música mais famosa, “Ahora me llama”, ela canta sobre tomar as rédeas da própria vida e a liberdade de transar com quem quiser. Ela tem dois álbuns de estúdio: "Ocean", de 2019, e "Unstoppable", de 2017. Mas é uma artista de singles, tendo lançado 38 deles. Karol sabe do que rola musicalmente no Brasil. Em seu novo disco, tem música em parceria com Simone e Simaria e já disse que gostaria de cantar com Kevinho e Anitta. A colombiana se apaixonou pelo carnaval brasileiro este ano. Convidada pelo bloco Mix, ela se apresentou em São Paulo e assistiu ao primeiro dia de desfiles na Marquês de Sapucaí, no Rio. “É a minha primeira vez no Brasil. Estou feliz e emocionada de estar aqui. É tudo lindo. Os carros alegóricos, as roupas. Acredito que vim na melhor época do ano. Quem não vem, está perdendo", disse.

 

Fonte: G1

Chitãozinho E Xororó cantam Evidências no SóTocaTop e geram comoção na web

''São quase 50 anos de carreira, mais de 35 milhões de cópias vendidas, três prêmios Grammy, e centenas de discos de ouro, de platina e de diamante''. Foi assim que Lucy Alves e Wesley Safadão anunciaram o Convidado Top da semana no SóTocaTop. Já dava para saber de quem se tratava, não é mesmo? Chitãozinho & Xororó! No palco do programa, a dupla cantou ''Nuvem de Lágrimas'', ''Fio de Cabelo'' e, claro, ''Evidências''. Os internautas movimentaram a web com comentários sobre a dupla e foram só elogios. A dupla relembrou a primeira música a ser tema de novela, ''No Rancho Fundo'', da novela ''Tieta'', e é claro que eles deram uma palinha junto com a plateia. Os cantores lembraram, também, o primeiro sucesso a tocar nas rádios, a música que "abriu as portas" para eles nas rádios FM: ''Fio de Cabelo''. Lucy Alves perguntou aos cantores se eles têm alguma música que consideram "o sucesso dos sucessos", e a dupla disse que quem responderia seria a plateia, que gritava ''Evidências'' a plenos pulmões. No dia da gravação, eles prometeram botar todo mundo para cantar junto, e não foi só a plateia que se emocionou: a web também vibrou junto! A apresentação da dupla foi um dos assuntos mais comentados na internet.

 

Fonte: G1

Luan Santana revela que dueto com Paula Fernandes foi gravado separadamente

Apesar do nome e do refrão, o novo hit de Paula Fernandes e Luan Santana foi gravado separadamente. Por causa dos preparativos para a gravação do DVD "Viva", que aconteceu neste domingo, 19/5, Luan gravou sua participação na música "Juntos" em um estúdio em sua casa, conforme contou na coletiva de imprensa do show: Muito ocupado com os últimos detalhes do DVD, Luan não teve tempo de acompanhar a repercussão da versão brasileira de "Shallow" (Lady Gaga e Bradley Cooper), canção que ganhou o Oscar. "Agora que vou ver como está essa bagunça... (risos). Estou meio por fora de como está a repercussão, estava muito focado no DVD", comentou, bem-humorado. "Viva" é o maior DVD da carreira de Luan Santana, um projeto grandioso que gerou cerca de 500 empregos diretos, teve um ano de planejamento e chegou a tirar o sono de Luan. "Sou um cara muito trabalhador, não paro de pensar um minuto na minha carreira. Fiquei sem dormir por causa dele", contou.

Sandy e Junior: como manter os pés no chão no auge

A turnê Nossa História, que reúne Sandy e Junior nos palcos 12 anos depois do fim da dupla, comemora 30 anos da primeira apresentação dos irmãos na TV. Mas, mesmo tendo começado tão pequenos - ela aos 6, e ele aos 5 anos -, sempre chamou atenção do público como eles souberam lidar com a fama. No Altas Horas, diante de família, amigos e fãs, os irmãos dão crédito aos pais por isso.

Além de concordar com a irmã, Junior acredita ainda que a estrutura com que a família podia contar acabou ajudando neste processo. “Uma sorte é que a nossa família não dependia do nosso sustento, do nosso trabalho, do dinheiro que a gente ganhava para sustentar todo mundo. Porque muitas vezes isso acontece: um artista surge na família e, de repente, todo mundo começa a viver a partir daquilo”, diz. “Quando a gente nasceu, a carreira (de Xororó, ao lado do irmão Chitãozinho) já estava dando muito certo e a coisa já estava andando superbem. O que a gente fazia sempre foi voltado para o nosso prazer de viver daquilo, pro prazer de fazer música, pro prazer de viver da arte, de tocar, de fazer show... Não tinha peso!”, conta.

Please publish modules in offcanvas position.