Ver todas Notícias

s mudanças nas regras para o uso do rotativo do cartão de crédito começam a valer nesta segunda-feira (3). A partir de agora, os clientes terão restrições para fazer o pagamento mínimo da fatura e acessar o crédito rotativo. A determinação foi divulgada pelo Banco Central no dia 26 de janeiro. Diferente do que ocorria antes, quem optar por pagar o valor mínimo da fatura não poderá fazer essa opção por vários meses consecutivos. A restrição foi criada para coibir o uso do rotativo e obrigar os bancos a oferecer uma solução de parcelamento para o cartão de crédito com juros mais baratos. A taxa de juro do rotativo encerrou 2016 em 484,6% ao ano, segundo dados do Banco Central, que considera a média de todas as instituições financeiras. SAMY DANA: Solução para rotativo ainda custa caro e brasileiro deve evitar Como funcionou até agora? Antes da mudança, para não ficar inadimplente, o consumidor precisava pagar ao menos 15% do valor da fatura de seu cartão de crédito (pagamento mínimo) até o vencimento da fatura. O restante da dívida ficava para o mês seguinte, sujeito aos juros do cartão considerados proibitivos. No mês seguinte, o cliente receberia a fatura com o saldo da dívida do mês anterior acrescido dos juros. Se não conseguisse pagar o valor integral, ele poderia, então, fazer novamente o pagamento mínimo de 15%, no mesmo processo anterior, e assim sucessivamente. Daí surge a metáfora da “bola de neve” associada frequentemente ao uso do rotativo do cartão de crédito. O que muda? A partir desta segunda (3), o consumidor que não conseguir fazer o pagamento integral de sua fatura do cartão de crédito poderá fazer o pagamento mínimo de 15% apenas por um mês. Na fatura seguinte, ele não poderá repetir o processo, pois o banco é obrigado a oferecer uma linha de crédito para que o consumidor parcele a sua dívida. O cliente negocia então um prazo e uma taxa de juros para pagar a pendência. Entre os grandes bancos brasileiros, quatro já anunciaram as taxas que vão ser oferecidas – todas menores que os atuais juros do cartão, variando de 0,99% a 9,99% ao mês. Na prática, em vez de alongar indefinidamente sua dívida fazendo o pagamento mínimo da fatura por vários meses consecutivos, o cliente terá de assumir o financiamento de sua dívida com prazo determinado e juros menores. É importante destacar que, pelas novas regras, o cliente ainda pode fazer o pagamento integral de sua dívida a qualquer momento, mesmo antes do vencimento da próxima parcela. Na ponta do lápis Com taxas menores, o valor final pago pelos consumidores ao fim do parcelamento acaba ficando mais baixo do que seriam com juros rotativos do cartão. No entanto, o cliente pode ficar sujeito a parcelas maiores do que pagaria caso fizesse o pagamento mínimo da fatura por vários meses. O economista Samy Dana, colunista do G1, fez a simulação de uma dívida de R$ 1 mil paga em 1 ano. Pelo rotativo do cartão, considerando os juros médios de 4 grandes bancos do Brasil (16,4% ao mês), o cliente que optasse por pagar o valor mínimo da fatura por 11 meses arcaria com parcelas de R$ 134 a R$ 148. Pagando o saldo devedor restante de R$ 885,42 no 12º mês, a dívida de R$ 1 mil teria se tornado R$ 2.588. Para comparação: considerando os juros médios já anunciados pelos bancos nas novas regras, a dívida final somaria R$ 1.872, com 12 parcelas iguais de R$ 143.

 

O que dizem os especialistas

 

Marcos Crivelaro, especialista em finanças pessoais e professor da Fiap, avalia que as pessoas que têm o costume de, equivocadamente, “usar o rotativo do cartão de crédito como complemento do salário” podem sentir agora que “o estão privando dessa liberdade”. No entanto, o educador acredita que a nova regra defende o consumidor, já que o valor da dívida final é menor. Crivelaro também estima que as novas regras inibam o descontrole financeiro. “Com rotativo o cartão, aquele ‘algo a mais’ que o salário não cobria estava sempre lá, pronto, pré-aprovado, sem burocracia”, descreve. “Agora, financiar a si mesmo vai dar trabalho”, diz ele sobre as negociações dos parcelamentos. Para o economista Samy Dana, a solução encontrada pelos bancos ainda é uma opção de crédito cara e que deve ser evitada pelo brasileiro. Reinaldo Domingos, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros e da DSOP, acredita que, apesar de o parcelamento a juros menores diminuírem o valor final da dívida, as novas condições não devem ter um impacto grande nos índices de inadimplência. “Se uma pessoa não consegue pagar o mínimo de 15%, também não vai conseguir pagar a parcela financiada.” Para Domingos, a nova medida que permite financiar o valor total “não está dando nenhum tipo de benefício para o devedor”. “Essa dívida vai acabar se tornando objeto de negativação do nome desse consumidor.”

Para quem já está endividado, os educadores financeiros recomendam a procura de crédito mais barato antes de ficar sujeitos aos juros do cartão de crédito, mesmo considerando as taxas mais baixas das novas regras. Entre os exemplos estão créditos pessoais a juros menores, como o consignado, além da procura do banco ou instituição financeira que ofereça as condições mais vantajosas para liquidar as pendências. Além disso, a recomendação é prestar atenção ao orçamento familiar, identificando as despesas que podem ser cortadas para que os gastos não ultrapassem os ganhos. “Quando a gente fala em cortar gastos, a pessoa não consegue visualizar onde está gastando. Reduzir padrão é adequar a realidade do que eu ganho comparado com o que eu gasto. E eu não tenho como descobrir aonde está indo cada centavo do meu dinheiro se não fizer um acompanhamento minucioso”, ensina Domingos.

 

Fonte: G1

A Justiça do Maranhão acatou o pedido do Ministério Público que entrou com uma ação civil pública contra a ex-prefeita de Bom Jardim, a 275 km de São Luís, Lidiane Leite, e outras três pessoas, pedindo a indisponibilidade de bens de todos os citados na denúncia. Ela e os outros foram acionados por fraudar uma licitação no valor de R$ 480 mil para fornecimento de fardamento escolar para a rede municipal de educação. Recentemente a Justiça condenou Lidiane Leite por atos de improbidade administrativa. Em 2015, teve os seus bens bloqueados, também, sob a acusação de improbidade. Ela ficou conhecida nacionalmente como a "prefeita ostentação" após mostrar vida de luxo nas redes sociais. Na época foi acusada de desviar dinheiro público destinado para reforma de escolas do município. entre os anos de 2012 a 2014. A Promotoria de Justiça pediu a indisponibilidade dos bens que integram o patrimônio de Lidiane Leite e dos demais réus, a fim de garantir o pagamento de multa e ressarcimento do dano causado aos cofres públicos, no valor de R$ 480 mil. Além disso, foi pedido o bloqueio de imóveis, veículos, valores depositados em contas bancárias ou aplicações financeiras. Na Ação Civil Pública, o MP pede a condenação dos réus por ato de improbidade administrativa, aplicando, definitivamente, o pagamento da multa e ressarcimento integral do dano, perda da função pública, suspensão dos direitos políticos, pagamento de multa civil e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, de acordo com a Lei nº 8.429/92. Segundo a Promotoria de Justiça, a prefeitura de Bom Jardim realizou licitação para contratar uma empresa especializada para confecção de fardamento escolar geral em abril de 2013. Mas, já havia uma empresa direcionada para vencer a concorrência. Ainda de acordo com o MP, a licitação, na modalidade pregão presencial, foi feita para dar aparência de regularidade ao concurso. “Não houve a necessária concorrência, pois todas as falhas existentes no pregão foram perpetradas para afastar a concorrência real e beneficiar a empresa ré, que obteve a celebração de contrato no valor de R$ 480 mil”, afirmou o promotor de justiça Fábio Santos de Oliveira. Peritos da assessoria técnica da Procuradoria Geral de Justiça identificaram uma série de irregularidades no processo de licitação, como a inexistência de aprovação de termo de referência; ausência de comprovação de publicação do resumo do edital na internet e em jornal de grande circulação; ausência de parecer jurídico, de comprovante de divulgação do resultado da licitação e extrato do contrato. Além disso, a empresa contratada não possuía ramo de atividade relacionado ao objeto; não apresentou certificado de regularidade do FGTS, termo de referência com orçamento detalhado e publicação resumida do contrato na imprensa oficial. Segundo o edital, a falta do documento causaria a imediata inabilitação da empresa ré. O MP constatou que o certificado de regularidade do FGTS foi emitido em 26/05/2013 e o pregão foi realizado no dia 14/05/2013. “Esta é uma prova evidente da incidência de fraude, pois, ou o credenciamento se deu em data posterior à data da sessão e foi utilizado apenas para dar aparência de legalidade ao certame ou foi inserido em momento posterior ao recebimento do credenciamento, sem se fazer qualquer ressalva, justamente para esconder seus vícios e o direcionamento da licitação”, questionou Fábio Oliveira.

 

Fonte: G1

O Grupo de Atuação de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) desencadeou na manhã desta segunda-feira (3) a operação Aranha no Deserto, em Timóteo, no Vale do Aço mineiro. O trabalho visa coibir fraudes na obtenção do Seguro Obrigatório de Danos Pessoais, o DPVAT. Três advogados e um médico, suspeitos de envolvimento no caso, foram presos; outras duas pessoas seguem foragidas até a tarde desta segunda-feira, segundo o Gaeco. Sete casas foram vistoriadas na cidade, duas armas de fogo apreendidas, além de vários documentos que serão analisados pelo Gaeco. De acordo com o Gaeco, o grupo fraudava laudos periciais com o objetivo de aumentar a quantia das indenizações de pessoas que sofreram acidentes de trânsito. O grupo, que fazia uma espécie de agenciamento, recebia um percentual de 30 a 50% do valor recebido pelos beneficiários. Não é a primeira vez que o Gaeco realiza esse tipo de operação na cidade. Em outubro do ano passado, o Ministério Público denunciou cinco pessoas suspeitas de praticar esse tipo de fraude na cidade. Na época, o Gaeco apontava ligação do caso do Vale do Aço a um grupo investigado no Norte de Minas. O Gaeco não confirmou se as prisões desta segunda-feira tem relação com o caso investigado no ano passado e não deu mais detalhes sobre a identificação dos detidos.

 

 

Fonte: G1/vales

Após o Mercosul e a Organização dos Estados Americanos (OEA) declararem preocupação com a atual crise política da Venezuela, o presidente do país, Nicolás Maduro, pediu neste domingo (2) "respeito ao mundo inteiro" e rejeitou interferência internacional. O país "com sua dignidade, pede respeito, exige respeito ao mundo inteiro, para seguir vivendo em paz", afirmou ele na edição mais recente do programa semanal "Los Domingos con Maduro". "Que ninguém se meta nos assuntos dos venezuelanos", afirmou, de acordo com a Agência Venezuelana de Notícias (AVN), órgão oficial do país. O comunicado da AVN cita que "setores apátridas, atráves da guerra midiática" mostram ao mundo o que Maduro chamou de "uma caricatura, uma deformação manipulado do que é uma Venezuela de verdade (...), que como qualquer país vive seus problemas e os resolve em paz, constitucionalmente". Neste sábado, a Venezuela já havia rejeitado, considerando uma "ingerência", que o Mercosul encoraje o governo de Maduro a garantir a separação dos poderes. O atual situação turbulenta da política na Venezuela chegou a um momento crítico na quarta-feira (29), quando o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ), instância máxima da Justiça do país, se apoderou de competências do Legislativo e retirou a imunidade de seus deputados. As medidas motivaram protestos da oposição e críticas da comunidade internacional. Neste sábado (1º), a página do TSJ na internet publicou um aclaratório em que "suprime" trechos de ambas as sentenças, entre elas a que conferia amplos poderes ao presidente Nicolás Maduro. Por um lado, reverteu a decisão de assumir as funções da Assembleia. Por outro, anulou os poderes que havia concedido a Maduro para revisar as leis sobre crime organizado e terrorismo.

 

 

Fonte: G1

O estado de saúde do cantor Arlindo Cruz é grave, mas estável, segundo boletim divulgado pela sua assessoria de imprensa neste sábado (18). Na noite desta sexta (17), ele passou por um procedimento para instalação de um cateter cerebral para monitorar sua pressão intracraniana. O procedimento foi realizado com sucesso, segundo o boletim. O planejamento terapêutico feito pela equipe médica inclui a manutenção da sedação do cantor e controle da pressão intracraniana, com objetivo de preservar o fluxo sanguíneo cerebral. Em seguida, a sedação deverá ser gradativamente retirada para reavaliação do quadro neurológico. Arlindo foi internado nesta sexta. Ele sentiu-se mal em casa, no Rio de Janeiro, quando se preparava para embarcar para São Paulo, onde faria um show do projeto "2 Arlindos". A assessoria de imprensa do cantor divulgou, na noite de sexta, que exames na CER Barra da Tijuca, para onde o artista foi socorrido, comprovaram que ele sofreu AVC (Aneurisma Vascular Cerebral) hemorrágico. O cantor foi socorrido na CER Barra da Tijuca às 17h20. Ele chegou inconsciente ao local e, em seguida, foi levado à Sala Vermelha, de cuidados intensivos. Estabilizado pela equipe médica, recebeu medicação para controle de pressão arterial, suporte para respiração mecânica e foi encaminhado para a realização de tomografia. Após estabilização do quadro, o cantor foi transferido para a Casa de Saúde São José, no bairro do Humaitá, onde foi levado ao centro cirúrgico para instalação do cateter. Ainda segundo sua assessoria, todos os procedimentos médicos planejados foram realizados com sucesso até o momento. Em breve, o hospital deve divulgar novos boletins médicos.

 

 

Fonte: G1

A vitória dessa quarta-feira sobre o Murici por 3 a 0, no Mineirão, pelo jogo de volta da terceira fase da Copa do Brasil, ampliou o bom retrospecto do Cruzeiro na temporada 2017. Com 13 vitórias e um empate em 14 partidas, o clube celeste ostenta 95,2% de aproveitamento e é o único entre os 20 times da Série A do Campeonato Brasileiro que não perdeu em 2017. Os números incluem a goleada por 8 a 2 sobre o Brasília em amistoso de pré-temporada. Levando em conta apenas as partidas oficiais, o Cruzeiro dividia a condição de invicto com o Flamengo até essa quarta. O rubro-negro, porém, acabou sofrendo seu primeiro revés por competições – 1 a 0 para a Universidad Católica, do Chile, pela segunda rodada do Grupo 4 da Copa Libertadores. Antes desse jogo, o único tropeço do Fla havia sido no amistoso contra o Vila Nova-GO, do qual perdeu pelo mesmo placar em janeiro, no Serra Dourada. Ao avaliar a série de invencibilidade do Cruzeiro, o técnico Mano Menezes elogia os bons resultados, mas aponta que o time nem sempre foi brilhante em função do desgaste provocado pela sequência de jogos em curto prazo. “É bom não perder, conquistar vitórias, mesmo para questões que precisamos melhorar. É muito mais fácil melhorar com resultados positivos. Alguns dias atrás a gente se deparou com a seguinte situação, jogaríamos 11 jogos em 38 dias. Não tem como entregar um futebol brilhante. Você precisa entregar resultados e é isso que estamos resolvendo”, afirma o treinador, que está confiante em evolução ao longo do ano. “Já passamos um bom pedaço e queremos chegar no final e saber que fizemos bem. Depois, quando as coisas voltarem ao normal, poderemos oferecer um futebol de intensidade alta como já fizemos várias vezes esse ano”, acrescenta Mano. Em 14 apresentações, o Cruzeiro marcou 37 gols e sofreu apenas sete, o que mostra equilíbrio entre os setores ofensivo e defensivo. Com o objetivo de se manter em alta, a Raposa tentará estender suas marcas no próximo domingo, às 16h, contra o Tombense, no Mineirão, pela oitava rodada do Campeonato Mineiro.

 

Jogos do Cruzeiro na temporada: Cruzeiro 8x2 Brasília – amistoso Villa Nova 1x2 Cruzeiro – Mineiro Cruzeiro 1x0 Atlético – Primeira Liga Cruzeiro 2x1 Tricordiano – Mineiro Cruzeiro 2x0 Chapecoense – Primeira Liga Tupi 0x4 Cruzeiro – Mineiro Volta Redonda 1x2 Cruzeiro – Copa do Brasil URT 1x1 Cruzeiro – Mineiro Cruzeiro 6x0 São Francisco-PA – Copa do Brasil Cruzeiro 2x1 Caldense – Mineiro América-TO 0x1 Cruzeiro – Mineiro Murici-AL 0x2 Cruzeiro – Copa do Brasil América 0x1 Cruzeiro – Mineiro Cruzeiro 3x0 Murici-AL – Copa do Brasil

 

Fonte: Superesportes

Joelma ainda não decolou na carreira solo e tem feito somente três shows por mês. A ex-mulher de Ximbinha cobra R$ 80 mil por cada apresentação, um valor bem abaixo da época em que cantava com o guitarrista, que culpou um pastor pelo fim do seu casamento com a cantora. Nos tempos de Calypso, a vocalista e o instrumentista subiam ao palco por valores que variavam entre R$ 300 mil e R$ 500 mil. A informação é da coluna "Retratos da Vida", do jornal "Extra", nesta sexta-feira (17). Com a agenda quase sem shows marcados, o empresário Pedro Mota deixou de vender as apresentações da cantora e atualmente é o responsável apenas pela parte artística. O escritório A3, de Fortaleza, é quem cuida, hoje em dia, após repasse de Pedro, da venda de shows de Joelma, que já teria demitido uma assessora pessoal. A próxima vez que a cantora vai subir no palco será no dia 31 em Brasília. Até lá, ela grava participações nos programas "Domingo Legal" e "Vai, Fernandinha" (Multishow). No dia seguinte, se apresenta em Goiânia e no dia 20 de abril, em Ipatinga (Minas Gerais). "É mais fácil emplacar Joelma em festivais com outros artistas do que em shows únicos. Ela ainda faz sucesso na mídia, tem muitos fãs pelo Brasil, mas não vende ingresso", apontou fonte da publicação. Com isso, a ex-mulher de Ximbinha tem tido dificuldade de manter sua equipe, que inclui músicos e bailarinos. Ao mesmo tempo, o instrumentista também estaria enfrentando dificuldades para vender seus shows, agora à frente da banda XCalypso. A cantora não está mais brigada com o pai, José Benhum Mendes, de quem apanhava quando criança, e para quem pediu perdão. "Meu pai bebia muito e era violento: agredia a minha mãe. E eu sofria muito (...). Fui eu quem ligou para ele pedindo perdão. Pedi muito a Deus para conseguir fazer isso", afirmou a vocalista que lançou seu primeiro DVD solo no final do ano passado reunindo nomes como Ivete Sangalo.

 

Fonte: MSN

lícia Civil realiza uma operação, nesta sexta-feira (17), para contra um esquema de lavagem de dinheiro e fraude de licitação em Pernambuco. Três pessoas foram presas. O grupo utilizaria “laranjas” para fraudar e ganhar licitações em diversos municípios, com desvios que podem superar R$ 13 milhões. Segundo a polícia, o foco inicial das investigações são três empresas. Elas que utilizariam de mecanismos para fraudar e ganhar licitações nas áreas de gênero alimentício, material de expediente e serviços. "Eles tinham três empresas, que tinham um sócio oculto. Esse sócio oculto dirigia não só a empresa que ele era titular, como as outras duas, com a finalidade de fraudar licitações em diversos municípios do estado", apontou o delegado Luiz Andrey, titular da Diretoria Integrada das Especializadas (Diresp)⁠⁠⁠⁠. Foram emitidos e cumpridos três mandados de prisão preventiva e sete mandados de busca e apreensão domiciliar dentro da operação "Comunheiro", além do bloqueio judicial de contas bancárias, todos expedidos pelo juiz de Direito da Primeira Vara Criminal da Comarca de Carpina, na Zona da Mata de Pernambuco. Um empresário de 53 anos, que seria o sócio oculto segundo a polícia, foi preso no Aeroporto Internacional dos Guararapes, na Zona Sul do Recife. Ele estava embarcando para o Rio de Janeiro, segundo a polícia. "Ele ia fazer uma viagem corriqueira. Sabíamos que ele ia viajar hoje", afirmou Andrey. Os presos e materiais foram encaminhados para a sede do Grupo de Operações Especiais (GOE), no bairro do Cordeiro, no Recife. Os policiais ainda levaram para depor um homem e uma mulher, através de mandados de condução coercitiva. Uma auditoria do Tribunal de Contas de Pernambuco (TCE-PE) detectou indícios de irregularidades em licitações no município de Carpina, na Mata Norte. "A partir da análise de dados informados ao Tribunal, são feitos cruzamentos de informações e, a partir desses cruzamentos, foram detectados indícios de irregularidades. Neste primeiro momento, já resultaram em auditorias na Câmara e na Prefeitura de Carpina", detalhou Valter Martins, assessor da cordenadoria do TCE. Os técnicos acionaram então a Delegacia de Crimes Contra a Administração e Serviços Públicos (DECASP), que inicou as investigações, com o delegado Izaias Novaes à frente e apoio do Núcleo de Inteligência da DECASP e da Diretoria de Inteligência da Polícia Civil-(Dintel). A partir da coleta de dados dessa fase, o TCE e a Polícia Civil podem ampliar o leque as investigações. "Eles forneciam vários tipos de serviço. A gente tem essa empresa criada em 2010, 2011. O delegado Izaias Novaes vai ter dez dias para fechar esse inquérito, mas posteriormente pode abrir novas investigações", apontou Andrey. Na execução do trabalho operacional, participaram 60 policiais civis, entre delegados, agentes, escrivães, além de dois auditores do TCE.

 

Fonte: G1

Uma semana após a chegada das águas da transposição do Rio São Francisco à cidade de Monteiro, no Cariri paraibano, o açude Poções, principal reservatório da cidade, já aumentou o volume em mais de quatro vezes. Antes da água chegar, o reservatório estava com um volume de 0,8%. Já nesta quinta-feira (16), o volume aumentou 470%, para 3,5%, segundo a Agência Executiva de Gestão das Águas da Paraíba (Aesa). Conforme os dados da Aesa, o volume que era de cerca de 182.000 m³ já passou para 1.037.352 de m³. Depois que a água do Rio São Francisco chega a cidade de Monteiro, através de um túnel da transposição, deságua no Rio Paraíba, passa pelo pequeno açude São José e depois segue para o açude Poções, que abastece a cidade. Atualmente, a população só tem água encanada, uma vez pode semana. Segundo o presidente da Aesa, João Fernandes, o açude já deveria está com um volume maior, pois, devido uma manutenção em um das bombas na última estação elevatória do eixo leste da transposição, a vazão que chega a Paraíba ainda é reduzida. Ele disse que o problema deve ser revolvido até a próxima semana. “Atualmente o açude São José está liberando 1.350 litros por segundo para o açude Poções. Já no açude de Poções, nós abrimos uma comporta que está liberando uma vazão de 250 litros por segundo. É pouco, mas a intenção é já ir molhando o leito do rio Paraíba. Quando a vazão da transposição for normalizada e a água começar a passar pelo açude de Poções, ela vai ecoar mais rápido para os açudes de Camalaú e Boqueirão”, disse João Fernandes. Apesar da chegada das águas do Rio São Francisco já estarem chegando à Paraíba, o presidente da Aesa disse que não sabe precisar se o açude Epitácio Pessoa, conhecido como açude de Boqueirão, vai receber primeiro a água do “Velho Chico”, ou a água das chuvas, pois a região tem registrado bons percentuais nos últimos dias. “Com a forte seca a esperança já era com a água do Rio São Francisco, mas as chuvas estão começando a chegar ao Cariri do estado e se continuar assim, talvez a água da chuva chegue ao açude de Boqueirão, antes mesmo da transposição. Seja como for, o que queremos e ver esses açudes encherem para que a população saia logo dessa crise”, destacou o presidente da Aesa.

 

 

Fonte: G1

Vinte e oito supostos toxicômanos e narcotraficantes morreram em enfrentamentos com a polícia nas Filipinas desde que o governo do presidente Rodrigo Duterte retomou há dez dias a campanha antidrogas com a promessa que seria "menos sangrenta". As vítimas foram mortas pelos agentes após supostamente resistirem à detenção em 979 operações policiais em todo o país desde o começo da operação Double Barrel Reloaded ("Duplo Canhão Recarregado") -nome da nova fase da campanha- até esta madrugada, indicou nesta sexta-feira (17) a Polícia Nacional em um relatório. Nos últimos dez dias, os policiais visitaram 55.087 domicílios e detiveram 1.577 suspeitos, segundo os dados oficiais. O documento especifica que 4.448 drogados e 231 traficantes se entregaram voluntariamente às autoridades desde que Ronald Rosa, diretor da Polícia Nacional e homem de confiança de Duterte, declarou o início da segunda fase da campanha no último dia 6. A nova etapa, iniciada após uma suspensão temporária de um mês, procura ser "menos sangrenta", segundo anunciou Rosa, que inclusive convidou a Igreja Católica a participar da supervisão das operações antidroga. A Anistia Internacional (AI) criticou nesta sexta-feira as 28 mortes e afirmou que "não se materializaram as reformas da polícia prometidas pelo presidente durante a suspensão por um mês das operações contra drogas no país". Duterte suspendeu temporariamente a campanha antidroga no final de janeiro para "limpar" a polícia de corrupção após uma primeira fase na qual houve mais de 7 mil mortos em sete meses, deles mais de 2,5 mil pelas mãos de agentes. A "guerra contra as drogas", que em sua primeira fase concedeu impunidade aos assassinatos de supostos traficantes e viciados, recebeu duras críticas de países e organizações internacionais por supostamente violar os direitos humanos da população.

 

 

 

Fonte: G1

Notícias mais lidas

Quem Somos

A Radio Nocaute tem como principal meta, tocar os sucessos mais antigos em sua programação, não deixando é claro de tocar os sucessos da atualidade. Nossa programação é feita com 60% de músicas antigas. Trabalhamos com muito carinho para oferecer uma programação diferenciada aos nossos ouvintes.
Saiba mais

 

Nossa Newsletter

Cadastre-se e receba nossas novidades e promoções em seu e-mail!

Siga-nos pelo Facebook