• Whatsapp:
  • (33)9.9913-6056

Portuguese English Spanish
  • 1

    1

  • 2

    2

  • 3

    3

Como a covid criou um congestionamento gigantesco no porto de Xangai que afeta o mundo inteiro

Dezenas de cidades da China estão atualmente em confinamento parcial ou total após um novo aumento de casos de coronavírus no país devido à disseminação da variante ômicron. A situação ameaça a controversa estratégia de "covid zero" das autoridades chineses. Com 25 milhões de habitantes e um peso vital para a economia do país, a cidade de Xangai sofre a pior onda de covid desde o início da pandemia, em Wuhan, há mais de dois anos. No entanto, o confinamento ao qual a cidade está submetida dificulta a chegada dos caminhões para levar as mercadorias a outros locais ou distribuí-las às fábricas próximas. Muitas indústrias, como a Volkswagen e a Tesla, tiveram que interromper suas atividades. "As restrições afetam principalmente as estradas de entrada e saída do porto, resultando em um acúmulo de contêineres e uma redução de 30% na produtividade", explica Mike Kerley, gerente de investimentos da empresa Janus Henderson. Soma-se a isso a carência de trabalhadores portuários para processar os documentos necessários para que os navios desembarquem suas mercadorias ou façam a inspeção de saída. Agora os barcos também estão se acumulando na costa e nos canais ao redor do porto esperando o sinal verde para atracar. Os dados da consultoria VesselsValue demonstram como aumentaram os tempos de espera para navios tanque, navios graneleiros e navios cargueiros. Outro problema é que milhares de contêineres estão se acumulando no porto, colocando mais uma vez a cadeia de suprimentos global em xeque justamente quando os analistas estavam confiantes em sua recuperação após a pandemia. Embora o porto permaneça operando, está cada vez mais entupido.

 

Fonte: G1

Suspeito de ataque a tiros no metrô de NY ficará preso e sem direito a fiança

A justiça americana ordenou nesta quinta-feira (14) que o homem suspeito do ataque dentro de uma estação de metrô no Brooklyn, em Nova York, fique em prisão preventiva sem a possibilidade de fiança. Os procuradores defenderam a manutenção da prisão ao dizerem que Frank James, de 62 anos, aterrorizou toda a cidade. O americano foi ouvido brevemente no processo em um tribunal federal no Brooklyn. Ele respondeu a perguntas protocolares sobre se ele entendia as acusações e a audiência. Mais tarde, seus advogados pediram ao público que não o julgasse antecipadamente. James foi preso ontem (13), um dia após o ataque, depois de ligar para uma linha de denúncia da polícia para dizer onde estava. Autoridades o acusam de ter detonado bombas de fumaça e atirado contra passageiros na estação de metrô. Ao todo, 10 pessoas foram baleadas no episódio. O americano foi acusado de crime federal de terrorismo que se aplica a ataques a sistemas de transporte coletivo. Apesar disso, as autoridades dizem que atualmente não há evidências que o liguem a organizações terroristas. “O réu abriu fogo assustadoramente contra passageiros em um trem do metrô lotado, interrompendo seu trajeto matinal de uma maneira que a cidade não via há mais de 20 anos”, disse a procuradora assistente dos EUA Sara K. Winik. “O ataque do réu foi premeditado, cuidadosamente planejado e causou terror entre as vítimas e toda a nossa cidade.” Do lado de fora do tribunal, a advogada de defesa Mia Eisner-Grynberg alertou contra “uma corrida para o julgamento”. "Os relatórios iniciais em um caso como este são muitas vezes imprecisos", disse ela. Ela ressaltou que James alertou a polícia sobre seu paradeiro, 30 horas depois de uma caçada que incluiu alertas de celular para a população. Mia concordou em mantê-lo preso sem fiança, pelo menos por enquanto. Os advogados de James, no entanto, podem entrar com pedidos no futuro para tentar reverter a situação.

 

Fonte: G1

16 feridos, incluindo 8 baleados, em tiroteio no metrô do Brooklyn, diz FDNY

Oito pessoas foram baleadas e outras oito ficaram feridas após um tiroteio em um metrô do Brooklyn nesta manhã, de acordo com a porta-voz do FDNY, Amanda Farinacci. Um porta-voz da MTA forneceu mais clareza sobre a trajetória do trem, dizendo à CNN que os passageiros estavam em um trem N com destino a Manhattan fazendo paradas expressas. O trem estava fazendo paradas expressas na parada da 59th Street antes da parada da estação da 36th Street, onde várias pessoas foram encontradas baleadas. O comissário de polícia da NYPD Keechant L. Sewell e outros executivos da NYPD informarão a mídia às 11h30 ET “sobre um incidente em trânsito”, disseram eles em um comunicado à imprensa. Várias pessoas foram baleadas e 13 pessoas foram levadas ao hospital após um incidente em uma estação de metrô do Brooklyn nesta manhã, disse o FDNY. Não há dispositivos explosivos ativos no local, de acordo com o NYPD. O FDNY informou anteriormente que “vários dispositivos não detonados” foram encontrados. Os moradores foram solicitados a evitar a área da 36th Street e 4th Avenue no Brooklyn "devido a uma investigação".

 

Fonte: cnn.com

Incêndio em barco deixa 37 mortos em Bangladesh

Ao menos 37 pessoas morreram e mais de 100 ficaram feridas nesta sexta-feira (24) em um incêndio em uma barco de passageiros no sul de Bangladesh, informou a polícia local. A "Obhijan 10", uma ferry boat de três andares, "pegou fogo no meio rio", afirmou o chefe da polícia local, Moinul Islam. "Recuperamos 37 corpos. O balanço de mortes pode aumentar. A maioria morreu no incêndio e outros afogados ao pular no rio", disse. O chefe de polícia explicou que o incêndio começou na sala de máquinas e se propagou por toda a embarcação, que estava lotada com pessoas que retornavam de Dacca para suas casas. "Transportamos mais de 100 pessoas com queimaduras para hospitais em Barisal", disse. "Estávamos dormindo no primeiro andar. Todos os passageiros estavam dormindo. Meu neto de nove anos, Nayeem, estava comigo e pulou no rio. Não sei se ele foi salvo", afirmou uma passageira idosa que não disse seu nome. Outros passageiros afirmaram que observaram um pequeno incêndio na sala das máquinas assim que o barco zarpou do porto de Sadargha, em Dacca, na quinta-feira à noite. "Muitas pessoas correram em busca de segurança enquanto o fogo se espalhava. Muitos passageiros não conseguiam sair de suas cabines, onde estavam dormindo. Muitos pularam no rio", disse um sobrevivente internado no Medical College Hospital de Barisal.

 

Fonte: G1

Incêndio em prédio deixa mais de 80 mortos e feridos em Taiwan

Um incêndio em um prédio na cidade de Kaohsiung, no sul de Taiwan, deixou mais de 80 mortos e feridos, informaram autoridades locais nesta quinta-feira (14). "O incêndio deixou 46 mortes e 41 feridos", disse o Corpo de Bombeiros de Kaohsiung em um comunicado enviado à imprensa. O incêndio começou em prédio de 40 anos no distrito de Yancheng na madrugada e foi extinto ao amanhecer. O prefeito de Kaohsiung, Chen Chi-mai, disse que o prédio já abrigou restaurantes, salas de karaokê e um cinema, mas atualmente estava parcialmente abandonado. O governo está investigando as causas do incêndio, inclusive se foi um ato criminoso.

 

Fonte: G1

Ator do Teatro Bolshoi de Moscou morre no palco após acidente

O ator Yevgeny Kulesh, de 37 anos, membro do lendário Teatro Bolshoi da Rússia morreu no palco neste sábado (9). Ele foi atingido pelo cenário durante uma apresentação de uma ópera, informou a companhia de Moscou. O teatro explicou que o acidente ocorreu durante uma mudança de cenário da peça Sadkó, uma ópera do século XIX do compositor russo Nikolai Rimsky-Korsakov. "A apresentação foi interrompida imediatamente e o público foi convidado a se retirar", declarou a assessoria de imprensa do teatro à agência de notícias Interfax. O Comitê de Investigação de Moscou informou em um comunicado que está investigando a morte do ator. O texto indica que a vítima sofreu diversos ferimentos e morreu antes da chegada de uma ambulância. Em 2013, um violinista veterano também morreu no prestigioso teatro depois de cair no fosso da orquestra.

 

Fonte: G1

Golpe de Estado em Guiné: soldados afirmam que governo e Constituição estão destituídos, mas Ministério da Defesa nega

Soldados que participaram de um levante em Conaky, capital da Guiné, neste domingo (5) afirmaram em uma transmissão em vídeo que eles dissolveram o governo e que a Constituição do país não é mais válida. O Ministério da Defesa, no entanto, afirma que o ataque ao palácio presidencial, que foi feito por soldados amotinados, foi derrotado. Houve troca de tiros perto do palácio presidencial em Conakry. Fontes da agência Reuters afirmam que uma unidade de elite do exército, liderada por Mamady Doumbouya, ex-legionário francês, era a responsável pelos ataques. Segundo a agência Reuters, um soldado envolvido em uma bandeira da Guiné, com oito outros militares ao fundo, afirmou em uma transmissão que eles pretendiam formar um governo de transição e que darão mais detalhes no futuro. Na internet, há vídeos do presidente Alpha Conde cercado de soldados (a agência Reuters não conseguiu confirmar se os vídeos são legítimos). O Ministério da Defesa disse que a tentativa de insurgência foi reprimida. "A guarda presidencial, apoiada pelas forças de defesa e segurança leais e republicanas, conteve a ameaça e repeliu o grupo de agressores", afirmou o ministério em nota. "As operações de segurança e controle continuam para restaurar a ordem e a paz." Vídeos compartilhados nas redes sociais mostraram veículos militares patrulhando as ruas de Conkary. Uma pessoa que trabalha no exército disse que a única ponte que liga o continente ao bairro de Kaloum, que abriga o palácio e a maioria dos ministérios do governo, foi fechada. Muitos soldados, alguns fortemente armados, foram para o lado de fora do palácio, acrescentou a fonte.

 

Fonte: G1

Deslizamento de terra deixa desaparecidos no Japão

Um deslizamento de terra provocado por chuvas torrenciais no Japão soterrou várias casas na região de Shizuoka neste sábado (3). Dezenove pessoas estão desaparecidas. A avalanche de lama atingiu principalmente a cidade costeira de Atami. "O paradeiro de 19 pessoas é desconhecido" após o deslizamento, disse um funcionário da prefeitura de Shizuoka. O governo local solicitou ajuda militar para missões de resgate, acrescentou. O deslizamento ocorreu às 10h30 de sábado, segundo um funcionário municipal de Atami, que acrescentou que "várias casas foram varridas" e cerca de 200 continuam sem eletricidade. Atami, localizada na região rural de Shizuoka, fica a cerca de 90 km da capital, Tóquio.

Prédio desaba durante demolição e deixa mortos na Coreia do Sul

Ao menos nove pessoas morreram e oito ficaram feridas após um prédio de cinco andares desabar repentinamente nesta quarta-feira (9) na Coreia do Sul. O edifício estava no meio de um processo de demolição em uma avenida movimentada de Gwangju, a cerca de 270 km a sudoeste da capital Seul, segundo autoridades locais. A Coreia do Sul ficou conhecida no passado por um histórico ruim de segurança em termos de infraestrutura. O colapso de uma loja de departamentos em 1995 matou mais de 500 pessoas, e o colapso de uma ponte em 1994 deixou 49 mortos. Mas o país tem tentado melhorar seu histórico de segurança nos últimos anos.

38 Morrem pisoteados após tumulto em festival religioso em Israel

Um tumulto em um festival religioso em Israel deixou mortos nesta sexta-feira (30) (horário local), informaram veículos de imprensa israelenses. Jornais do país como o "Haaretz" e o "The Times of Israel", citando fontes médicas oficiais, falam em 38 vítimas. Cerca de 100 mil pessoas participavam da celebração Lag B'Omer — a maioria, judeus da linha ortodoxa — no maior evento desde o controle da pandemia do coronavírus em Israel (saiba mais no fim da reportagem). As primeiras informações diziam que uma arquibancada de metal desabou, mas órgãos de saúde israelenses informaram que as vítimas morreram pisoteadas após um tumulto. Nas redes sociais, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu lamentou a tragédia, que classificou como um "pesado desastre".

 

Fonte: G1

 

Pagina 1 de 3